Compartilhe:

Após você enviar as músicas “guias” para o produtor musical, é hora de definir a tonalidade para cada música.

Nem sempre o tom que você escolheu para gravar a guia vai ser a tonalidade da música arranjada.

Por mais que uma determinada tonalidade esteja boa para você cantar, o produtor tem uma percepção diferente e melhor e saberá se você suporta outra tonalidade, seja para cima seja para baixo.

Quanto aos arranjos, costumo fazê-los da seguinte forma:

Escolho um andamento “BPM” para a música e escrevo a partitura de todo o arranjo, em seguida, gravo um violão, também guia, para o artista conhecer a nova estrutura da música.

A partir desse violão-guia e da partitura, surgirá a música pronta.

O produtor deve ter em mente como a música deve ficar em seu término, só assim conseguirá passar para os músicos o que efetivamente deseja.

Até o próximo artigo.