Compartilhe:

Não devemos usar gate durante uma gravação, a não ser em casos específicos.

Neste artigo vou falar um pouco sobre este uso na gravação e da necessidade ou não de usá-lo.

Então, vamos por partes. Começaremos pela bateria.

Bateria

Jamais usei ou vou usar gate durante a gravação de bateria.

Geralmente escuto as pessoas falarem sobre usá-lo no bumbo, caixa, chimbal e tons.

Não o recomendo em nenhuma peça da bateria.

Imagine usando-se gate em um chimbal, é certo que o resultado não será satisfatório, pois o chimbal é cheio de dinâmicas e serão cortadas as mais baixas.

A mesma coisa acontece com bumbo, caixa e tons.

Imagine uma convenção com um fade in: certamente o gate vai cortar o início da convenção.

Na mix, na maioria dos estilos corto os tons, e às vezes é possível usar um gate, mas prefiro cortar.

Contrabaixo

Também nunca usei gate no contrabaixo, nem pretendo usar.

Não vejo sua necessidade no contrabaixo, pois queremos pegar todos os detalhes do instrumento, e se o usarmos, adeus detalhes…

Violão

Aqui é que não devemos mesmo usar um gate, pois temos notas soando e as queremos em nossa gravação.

Também não o uso nem o recomendo.

Guitarra

Aqui talvez ele seja interessante, já que algumas pedaleiras ou até guitarras que não têm a elétrica instalada corretamente produzem um chiado que o gate vai eliminar.

Lembre-se: se for usar o gate, ele deve estar antes dos efeitos, pois se for colocado depois vai cortar possíveis delay, reverb, etc.

Teclado

Aqui também, nem pensar!

Assim como o violão, queremos que o instrumento soe, e não que seja cortado no meio de uma nota.

Voz

Jamais usar em voz, a não ser que seja uma locução, nesse caso o gate é útil.

Enfim, como você pode ver, apenas um instrumento talvez permitisse o uso do gate na gravação, que seria a guitarra, pelo fato de, às vezes, ocorrer um chiado. O resto, tudo sem gate.

Se você desejar usar o gate em uma caixa, por exemplo, que seja depois da gravação, jamais durante, SEMPRE DEPOIS.

Espero que tenha gostado. Até o próximo artigo!

Forte abraço.