Compartilhe:

Para quem possui algum conhecimento de áudio, sabe o que é masterização, porém muitos músicos e pessoas que estão começando no áudio confundem masterização com mixagem.

Já escrevi um artigo sobre o assunto, mas o pessoal ficou com algumas dúvidas, por isso, resolvi escrever a respeito em três partes. Leia o outro artigo Masterização – Para que serve?

A verdade é que durante os anos que tenho trabalhado com áudio,  percebi que as pessoas não dão muito crédito para masterização. Às vezes gastam muito em uma produção musical, gravação e mixagem e, na hora da masterização, acabam deixando de qualquer jeito.

Neste artigo intitulado Masterização – O porquê e porque fazer em sua música, veremos a diferença entre a mixagem e a masterização, descobrir qual a importância da mixagem para a masterização, além das dicas para você conseguir uma boa Master.

O que é Masterização, e qual a diferença com a Mixagem?

Primeiramente, vamos ver a etapa de mixagem. Falando de uma maneira bem simples, nessa etapa teremos a música aberta, ou seja, todos os canais individuais. Pode-se tratar cada instrumento isoladamente.

Durante a mixagem, se você escutar o bumbo muito grave, é só ir no canal dele, abrir um equalizador e atenuar a frequência que esteja sobressaindo, por exemplo: 100 Hz – 150 Hz. Se você ainda não leu nada sobre frequência, sugiro a leitura dos seguintes artigos que escrevi:

Bem, continuando…

Podemos usar equalizador, compressor, efeitos, tudo em canais individuais.

Mas, quando chegamos a etapa de masterização a situação muda, o que tínhamos separado se transforma em 2 canais L R. Agora tudo que você modificar em termos de equalização, compressão afetará a música no aspecto geral.

Por exemplo:

Na masterização, se você quiser que o C. Baixo tenha mais grave, terá de acentuar frequências perto de 100 Hz. O problema é que temos o bumbo, mais para frente, temos os graves dos violões, a caixa, e por aí vai… Então, qualquer modificação que você fizer, afetará diretamente outros instrumentos.

Portanto, em mixagem temos o projeto aberto, pista por pista, enquanto na masterização temos todos instrumentos em 2 canais L R.

Existe outra maneira de fazer a masterização sem ser com 2 canais L R, da qual falarei oportunamente.

Outra diferença entre mixagem e masterização, é que na primeira tratamos cada música individualmente, pensando somente em conseguir a melhor timbragem dos instrumentos para aquela música.

Na masterização pensamos diferente. Temos de escutar o CD como um todo, ou seja, você tem de deixar todas as músicas no mesmo nível de volume, tentar aproximar o máximo da equalização geral, início da faixa, final, e outros itens.

Uma boa Masterização requer uma boa Mixagem

Um problema sério para quem mixa, é pensar que a masterização vai resolver os problemas que ocorreram durante a mixagem. É claro que na masterização pode-se fazer alguns ajustes para tentar resolver algo errado da mixagem, porém as melhores masterizações que existem, sempre vieram de uma boa mixagem.

Voz principal alta demais, violões muito estridentes, muita ambiência no geral, e coisas do tipo, dificilmente serão corrigidos 100% na masterização.

Se você está fazendo sua masterização e perceber algo que realmente o esteja irritando, volte à mixagem e a refaça. Desta forma, você obterá uma boa Master.

Qual o objetivo da Masterização?

Se você escutar uma música apenas mixada e, depois, escutar uma música masterizada, notará uma grande diferença de volume. Porém, a masterização não se trara apenas de volume. A masterização é feita para que você escute o CD como um todo, o mais homogêneo possível, com equilíbrios entre grave, médio e agudo, fazendo com que independente do local que seu CD irá tocar vai impressionar o ouvinte.

Quando ouvimos um CD, não queremos esperar muito tempo de uma faixa para outra nem tampouco ter de ficar mexendo no volume de uma música para outra, com uma música mais baixa do que a outra, uma com a voz mais alta etc.

Por isso, é feita a masterização.

A verdade é que se você deseja que sua música soe profissional, jamais deixe sem uma masterização. Mesmo que o seu CD seja demo para vendas de shows, ou apenas para divulgação da sua banda, é imprescindível fazer uma masterização. Esse negócio que “Não precisa de masterização, quando for gravar o CD para valer nós faremos”, isso na prática não funciona.

Imagine um contratante escutando dois CDs, um de sua banda e de outro artista. Ele coloca o CD do Artista que está masterizado, com um bom volume, as frequências todas equilibradas, o pan também equilibrado, tudo que uma boa masterização oferece. Depois, ele pega e vai ouvir seu demo sem masterizar, posso lhe garantir que a primeira coisa que ele vai falar é que: “Nossa, essa música não tem pegada”. Pronto, sua banda já perdeu um possível empresário ou uma casa de show.

Na Parte 2, vou listar algumas dicas importantes para se conseguir uma boa masterização.

Deixe seu comentário sobre o assunto.