Compartilhe:

Masterização é a ultima etapa em um CD para formar a Matriz, de onde sairá a duplicação.

Vamos pensar que a masterização é a ultima oportunidade que temos de deixar aquela música o melhor possível… Porém va muito além disso, pois na Masterização não podemos pensar apenas em uma música e sim no projeto completo, pois imagine você escutar a primeira música, e quando chega na terceira está mais grave, ou demora entrar a música, etc… Então podemos fazer da masterização um setor de controle de qualidade, que só vai sair do estúdio quando realmente estiver bom.

Qual a diferença da Mixagem para a Masterização?

Na etapa da Mixagem, trabalhamos com o projeto aberto, ou seja, temos total controle de todos os canais individuais… Podemos controlar volumes, panorama, equalização, compressão, etc… Tudo individualmente.

Já no processo da Masterização temos apenas a música em L R, ou seja, em 2 canais “Stereo”.

Ai o processo é mais delicado, pois se colocar grave, esse grave vai afetar a voz, o violão, o baixo, o bumbo, etc… Tudo que estiver naquela região de freqüência será afetada também. Por isso que aconselho é que não exagere no processo da Masterização, tente antes de colocar valores altos colocar valores mínimos, tipo + 0.5db em 250Hz, e por ai vai, e depois caso necessite vai acrescentando ou diminuindo aos poucos.

A Masterização é apenas para dar mais volume a música?

Não, no processo de Masterização não é só para dar mais volume a música, mais existem outros fatores que é feito caso necessite.

Veja abaixo alguns deles:

Equalização

A equalização quase sempre é feita no processo de Masterização, e os equalizadores mais usados são os paramétricos, já que eles são mais precisos.

Compressão

Uma das coisas que é indispensável no processo da Masterização. Podemos usar o compressor para tirar os picos mais altos na música, diminuir os transientes da música no geral, ou apenas encorpar a música.

Também é muito usado os compressores Multibanda, com ele podemos comprimir faixas de freqüências separadamente.

Rerverb

O s Reverbs são muitos usados na Mixagem, no processo da Masterização quase não se usa, porém em algumas pessoas gostam de usar alguma ambiência para tal CD. Quando se usa é coisa sutil, coisa mínima quase imperceptível, mais que no processo geral da um resultado legal. Eu particularmente não uso reverb na Masterização.

Estéreo

Aqui um ponto muito importante no processo da Masterização. Imagine uma música com um som fechado, ou um lado mais alto que o outro… Isto se ve nessa etapa, já que podemos expandir o estéreo da música e também reduzir.

Edição

A edição na etapa da masterização, nada mais é que, cortar inicio e final de cada música, quanto tempo queremos de uma música para outra, quanto tempo até entrar a música, etc…

Existem vários editores como: Sound Forge, Wave Lab, CD Architect, Sonic Solutions, entre outros…

Aqui também iremos ver a parte de Fade in e Fade out, inserção de ISRC, e também ordem das músicas e nome de cada faixa, e o nome do Artista em cada Música.

Normalizar

Depois de fazer todo os processos precisamos normalizar as músicas para que todas fiquem no mesmo nível.

Geralmente se normaliza em 0db, porém isso não significa que se você pegar qualquer música e normalizar em 0db vai soar alto o bastante para u CD padrão.

Por isso todos os processos anterior a este tem que ser bem feitos para quando for normalizar a música todas possam chegar no mesmo volume.

Dither

Na maioria das vezes gravamos e mixamos em 24 bit e 48 Khz. O Cd não comporta este formato, por isso precisamos colocar todas músicas em 16 bits e 44 Khz, e ai sim podemos gravar as músicas em CD processadas.

O Dither é o ultimo processo na masterização, depois de ter feito tudo ai iremos converter ela para 44 – 16, ou seja, todo o processo de Masterização é feito em 24 – 48 ou 32 – 96, ou o formato em que você gravou.

É isso pessoal, eu atualmente uso o Wave Lab, e tenho gostado de suas ferramentas.

Qualquer coisa é só deixar um comentário.

Grande abraço e até a próxima.